Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017 -
PÓS-TRAGÉDIA

Medidas da Samarco para recuperar o Rio Doce são avaliadas

Representantes da mineradora são esperados para explicar atraso na reparação de danos da tragédia de Mariana
05/12/2017 15h49
DIVULGAÇÃo
Rio Doce foi atingido por lama após rompimento de barragem da Samarco

Nesta quarta-feira, 6 de dezembro, a Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) vai debater, em audiência pública, as ações da Fundação Renova, responsável pela criação, gestão e execução das medidas de reparação e compensação das áreas e comunidades atingidas pelo rompimento da barragem de Fundão, da mineradora Samarco, em Mariana (Região Central do Estado). A reunião será às 15 horas, no Plenarinho I.

A audiência pública foi solicitada pelo presidente da comissão, deputado Cristiano Silveira, e pelo deputado Rogério Correia, ambos do PT. A finalidade é avaliar possíveis pendências e atrasos no cumprimento do termo de ajustamento de conduta assinado entre a Samarco, a Vale e a BHP Billiton com o governo federal, os governos de Minas Gerais e do Espírito Santo e outros órgãos governamentais.

Os parlamentares querem saber se estão e como estão sendo aplicadas as medidas das empresas para a recuperação do Rio Doce e a reparação dos danos causados às comunidades atingidas.

O desastre de Mariana, o maior do mundo com rompimento de barragem, aconteceu em 5 de novembro de 2015. Com o rompimento da barragem de Fundão, 40 milhões de metros cúbicos de lama de minério foram despejados, matando 19 pessoas, arrasando povoados e desabrigando centenas de famílias.

Dois anos depois, os atingidos pela tragédia ainda lutam por indenizações. Só contra a Samarco existem mais de 50 mil ações na Justiça estadual. Das 36 multas aplicadas pelo Estado de Minas Gerais, a mineradora parcelou e começou a pagar apenas uma e recorreu de todas as aplicadas pelo Ibama.

Os moradores de Bento Rodrigues, povoado que desapareceu com o desastre, continuam aguardando um novo lugar para morar.

Convidados - Dois representantes da Fundação Renova confirmaram presença na audiência pública: o diretor-presidente, Roberto Waack, e a diretora de Desenvolvimento Institucional, Andrea Azevedo. Também estão sendo aguardados representantes do Poder Executivo, do Ministério Público e do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB).

Se você não tem Facebook, utlize o formulário abaixo para comentar.
Você pode ser o primeiro a comentar.
Novo comentário
Sou cadastrado
Não sou cadastrado
Comentário
Leia mais em: Gerais
Mais
Emprego